terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

A lei da sobrevivência





         O rato visitou minha pia e fez grande estrago... O papagaio assistia a tudo, e gritou, desesperado: “Quando o gato sai de casa o rato faz a festa!”. Nessa hora, o gato chegou sorrateiramente e viu o rato saindo de fininho rumo ao seu esconderijo... Era a busca da caça para matar a fome.
          Noutro canto, a barata assustada, vigiava atentamente a aranha... É a lei da sobrevivência... Cada bicho busca matar a sua fome. O mosquito deu mole e caiu brutalmente na teia, e a dona da arapuca pôde, enfim, dar um tempo à dona barata.
          Toda noite é assim, é a lei do mais forte e a ousadia dos mais espertos. Felinos, artrópodes, ratos, papagaios e insetos e todos os demais animais do reino buscam a sua próxima vítima... É o instinto do reino.
          O pior dos animas é o homem que mata para roubar, mata por ódio, mata por inveja, mata por ambição; mata por tantas bobagens... Obviamente, que, se fizesse jus ao seu esplendor diferencial não mataria, nem roubaria, nem seria o bicho mais feroz de todas as raças, pois, é raça inteligente; e, além de cometer todo tipo de atrocidade, destrói a natureza e o planeta que Deus fez.


Professor Osmar Fernandes
Enviado por Professor Osmar Fernandes em 22/10/2010
Reeditado em 03/02/2015
Código do texto: T2571137
Classificação de conteúdo: seguro

http://www.recantodasletras.com.br/imagens/somerights20.pt.png
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Só dou se casar!




Quando a vi cruzar as pernas,
Morri de desejos.
Coxas grossas,
Calcinha vermelha,
A excitação virou meu inferno.
Perdi as contas de quantas vezes
Eu me masturbei pensando nela.
Gostosa loucura, tentação...
Tudo por ela.
Olha o que uma mulher causa
Na mente de um homem!...
Ela foi minha perturbação,
Minha insônia, meu prazer.
Ela me matava ao dizer:
"Só dou se casar!"
Eu só vivia pensando nela.
Toda noite
ela era a minha fantasia.
Eu dormia daquele jeito...
Eu era louco por ela, por sexo.
Sonhava... Tinha polução noturna.
Amanhecia pensando nela
Sem calcinha...
Já faz tanto tempo.
E ela não mudou
Seu mandamento:
“Só dou se casar!”
Já transamos mil vezes
No meu pensamento.
Essa mulher é minha perdição.
Como um tesão
pode durar assim?!
Não é coisa de coração!
Meu corpo trai a minha mente.
Tô nas trevas! É o fim!
Não tenho nada de inocente.
Já fiz promessas
Para esquecê-la.
Mas, não consigo
Virar essa mesa.
Tô de saco cheio
De bater punheta!
Quando Tô no banheiro,
Transo mil vezes com ela.
Na cadeira erótica me faz
Subir às paredes...
Não sai da minha cabeça,
Aquele cruzar de pernas.
Seu corpo me faz
Entrar transe.
Quando volto à realidade
Fico louco.
Já tive toda mulher
Que sonhei menos ela.
Ela continua a me dizer:
"Só dou se casar!"
Eu me pergunto:
"Aguentar isso, até quando?!"
Não é amor,
Nem paixão;
Ela me inflama.
Quero é transar com ela.
Essa mulher me mata
De tanto tesão...
Imaginação.
Ela me nocauteia,
Leva-me à lona.
Vivo com o corpo em brasa,
Pegando fogo... Louco.
Já não suporto esse jogo!
Ela sabe do meu desejo,
é minha dona.
Ela me olha e gosta
De me ver assim...
Eu a quero de verdade
na minha cama.
Mas, a danada
Insiste em me dizer:
"SOU DOU SE CASAR!"


Professor Osmar Fernandes
Em 22/08/2009
Código do texto: T1768048
Classificação de conteúdo: restrito

sábado, 31 de janeiro de 2015

Dona vida


Dona vida, eu quero viver.
Não deixe Dona Morte me levar.
Eu tenho tanta coisa para fazer.
Eu tenho tanto sonho a realizar.
Dona Vida, eu sei que você é o mistério,
O segredo mais divino do céu.
Enquanto Dona Morte é a praga,
A maldição vomitada na terra.
Dona Vida, eu não sei do seu segredo,
Mas tenho medo de perder
O seu encanto e o seu halito.
Eu me sinto tão feliz a abraçando!
Há tanto tempo somos dois
Num mesmo coração.
Não me abandone Dona vida.
Estou lutando desesperadamente...
A minha fé está em Deus.
Você é o meu maior presente.
Por favor, não vá embora.
Eu preciso realizar os nossos sonhos.
Dona Vida, minha vida é a sua vida.
Precismos um do outro...
Dona Vida, sua vida é minha vida.
Não se vá.






O corpo e a alma



E o corpo disse à alma:
— Você que é feliz.
Habita o corpo da gente,
Comete tantos deslizes...
E, ainda, vive eternamente.

E a alma respondeu dizendo:
— Aí, que você se engana!
Em mim é você que se esconde.
Depois para sempre some.
Comete tantos pecados...
E sou eu que pago a conta.

E o corpo entristecido disse:
— Eu nasci para morrer.
Você jamais provará desse cálice.
Reencarna sempre um novo corpo...
Enquanto eu, para sempre estarei morto!

E a alma finalizou ao responder:
— Você não sabe o que diz!
Cada vez que volto aqui,
Algum pecado estou pagando...
Isso é pior do que morrer.
Porque só vivo penando.
Professor Osmar Fernandes
Enviado por Professor Osmar Fernandes em 25/02/2009
Reeditado em 25/02/2009
Código do texto: T1456083

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

O bicho-homem



Você, meu grito de liberdade.
Estrada infinita sobre a luz da vida.
Meu sonho amparado na verdade.
Meus passos tropeçam... Sem saída.

Brado engasgado explode pelo ar.
Os surdos, mudos, cegos não são viajantes.
Assim, a ferida não vai se curar...
A esperança perde seus navegantes.

A comunicação é telepática.
Pouca gente entende o sinal.
Extermina-se como doença hepática.

O abismo caminha premeditado...
Como ovelha ao matador pro seu final.
O bicho-homem está desalmado.
Professor Osmar Fernandes
Enviado por Professor Osmar Fernandes em 05/01/2015
Código do texto: T5091011
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. OSMAR FERNANDES). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Dona morte




Dona morte,
Pertinho de você
Eu sinto os seus olhos
Me vigiando.
Longe de você
Eu sinto o seu vulto
Me guardando.
Eu sinto medo.
Pois meu segredo é viver.
Eu sonho em ser como vinho...
Quero viver! Quero vida!
Não tenho prata, não tenho ouro.
Sou o andarilho do destino precioso.
Minha vida é meu tesouro.
Não apague a minha luz!
Sou feliz, sou seu mistério.
Desvie-me da sua cruz
E do endereço do cemitério.
Não tenho medo da velhice.
Ainda quero viver os anos da tolice.
Não sou como São Tomé!
Prefiro ser o escravo da vida
A ser o rei da morte.
Não tenho medo da velhice.
Ainda quero viver os anos dourados
da tolice.
Professor Osmar Fernandes
Enviado por Professor Osmar Fernandes em 15/03/2009
Reeditado em 19/03/2009
Código do texto: T1487145

O anjo loiro


Em Santana do Sul, cidadezinha do interior, o mundo parecia ter parado ali. A base de sua economia provinha da agricultura. De pouco comércio, fábricas de fundo de quintal, de pouco mais de l.500 (um mil e quinhentos) habitantes – a maioria morando na zona rural – vida pacata.  Conhecida como a cidade dos aposentados (de salário mínimo). Na zona urbana quase todo mundo era funcionário público. Da região do vale da boca de fogo era a esquecida. Morava ali muita moça bonita e quase nenhum rapaz.
A única escola de ensino médio estava condenada a fechar, devido a pouca frequência. Só havia alunas. Os alunos nessa idade mudavam-se, iam embora em busca de trabalho e cursos técnicos em outras cidades.
Com o passar dos anos essa situação agravou-se, criou um problema social, emocional e familiar. Os velhos estavam morrendo; a taxa de natalidade quase foi extinta – percentual quase zero. Era um nascimento esporádico a cada cinco ou seis anos. O desespero das moças virgens, das titias, era de dar dó, de  se ficar embasbacado.
Santana do Sul estava virando um deserto, uma cidade tipicamente fantasma, assombrada, esquecida num canto sem importância, no meio do nada, do mapa do mundo. Viam-se velhos aposentados papeando e ou jogando baralho nas praças públicas e nada mais.
A bela moça donzela já não passeava... Não tinha lá fora um olhar que atraísse sua atenção, seu desejo, tudo era muito quieto demais. O silêncio invadia o desespero de sua alma. Não havia juventude, tudo era velho em demasia, não havia animação, nem vida, nem prazer.
Era a cidade dos esquecidos. A única esperança era tornar-se maior de idade e fugir de casa. Coisa que uma ou outra se atrevia pôr em prática no ápice da desilusão.
Certo dia, Edviges, moça pura, que nunca desejou ser freira, recebeu um aviso em sonhos de sua amiga do peito, Isabela Caputte, dizendo que estava muito doente, que ardia em febre, que ia morrer. Diferente dela, Caputte sempre foi mais extrovertida, e tinha idéias avançadas para o seu tempo. Edviges, aflita, como se ouvisse os clamores da colega por telepatia, num pestanejar, sentindo algo estranho, um calafrio, resolveu visitar a amiga pessoalmente.
Quando já estava no portão de sua casa, dona Marcelina, sua mãe, conversava com dona Sofia Geara – senhora rígida aos moldes dos tempos idos – muito conceituada. Dona Marcelina, vendo a filha meio abatida, chamou-lhe a atenção, dizendo:

- Onde vai a essa hora Edviges? Já é muito tarde para moça de família sair. No meu tempo, há essa hora eu já estava no último sono.
Edviges respondeu à mãe:
-Vou à casa de Isabela, mãe. Ela anda doente, está ardendo em febre.  Não se preocupe, nem espere por mim. Vou passar a noite lá, mas volto a tempo de ir para o colégio, ta?
Sua mãe advertiu-lhe, dizendo:
- Edviges, minha filha, chame seu pai para acompanhá-la. Está muito tarde para ir só. Moça que anda na rua a esta hora sozinha fica mal falada, cai na boca maldita do povo.
Dona Sofia Geara, ouvindo aquela conversa entre mãe e filha, intrometeu-se, dizendo:
-Sua mãe tem razão. É muito perigoso andar sozinha há esta hora.  Pode encontrar um louco na rua ou um tarado. Deus me livre!... A gente nunca sabe o que há por detrás da cortina da noite, minha filha, cuidado!
Edviges morrendo de tanto rir, disse:
-Dona Sofia, pelo amor de Deus! Desse jeito a senhora ainda me mata de tanto rir. Nesta cidade nunca acontece nada, parece cidade dos mortos. Nunca ouvi dizer que alguém foi atacado por aqui.
Dona Marcelina, rindo junto com dona Sofia, disse à filha:
-Vá com Deus, minha filha, e não se esqueça que amanhã você tem prova. Volte bem cedinho, a mamãe vai lhe preparar aquele café colonial.
Edviges, partiu, e quando estava a cinquenta  metros do cemitério, ouviu um elogio sair de uma voz  melodiosa, dizendo:
- Das donzelas és a mais bela... Todo gosto é gostoso, se eu gosto, eu desejo, mas, se o desejo, não vejo, sei que é pecado.
Ela ficou enlouquecida e enfeitiçada. Nunca havia sido paquerada, sentiu-se “poderosa”, e correu o olhar para descobrir quem era o dono daquela voz que parecia tão jovem. Continuou a caminhar, agora, a passos lentos, faceira, quando, na esquina, através da penumbra da luz da lua, deparou-se com um belo rapaz de cabelos louros encaracolados. Foi encanto de moça donzela à primeira vista, suspirou profundamente, não acreditando no que via , e quase desmaiou. Sussurrou maravilhadamente, e disse:
-Quem é você? Nunca lhe vi por aqui. É parente de quem ?
O rapaz nada respondeu, hipnotizando-a, e, dominando-a, beijou-lhe a boca. Foi o primeiro beijo de Edviges. Ela ficou estonteante, sentiu estar voando pelas nuvens. Ele a levou mais adiante, e no meio do mundo, no ninho da vida, deitou-a, amou-a voluptuosamente, como um verdadeiro amante.

Às dez horas da manhã, assustada, com o sol em seu rosto, despertou de seu sono profundo, viu-se nua, e seu subconsciente lhe confidenciou: “Foi sonho, devaneio ou foi real?” Meu Deus! O que me aconteceu?
De repente, ao se vestir, sentiu algo estranho. Seu corpo estava leve como uma pluma, algo estava diferente, não sabia discernir o que era. Sentiu um perfume exalar à sua volta. O aroma estava impregnado no seu corpo. Confusa, voltou à sua casa, e lá chegando, ficou surpresa, deu de cara com muita gente, e sua mãe, chorando e desalentada, disse-lhe:
- Minha filha, pelo amor de Deus! Onde você estava, até agora? Quase morri de tanta preocupação. Todo mundo estava à sua procura.  Seu pai está  de cama por sua causa. Onde você dormiu? Que cheiro é este?
Edviges nada respondeu, como se estivesse em transe. Foi para o quarto e enquanto subia os degraus, dona Célia, a fofoqueira, logo observou que a ponta do seu vestido estava manchada de sangue, e foi logo dizendo ao pé do ouvido de outra linguaruda:
-Vê, Efigênia, o vestido dela está melado de sangue. Tenho certeza como tem Deus no céu, que andou de safadeza por aí com algum velho.
 Efigênia, sem papas na língua, foi logo soltando o seu veneno:
- Que velho sem-vergonha deflorou a “bichinha”, inocente, caipira? Essas moças de hoje em dia são tão bobinhas, caem na conversa de qualquer um, não é mulher? Será que não foi seu velho? Andam dizendo por aí que você “não dá mais no coro”, é verdade? Ainda dizem, que ele está soltando fogo pelas “ventas”, ta cheio de energia, sentindo-se um garotão de quarenta. Será que foi seu velho, comadre?
Dona Célia, pega de surpresa, pois achava que ninguém sabia de sua vida íntima, dos seus segredos, disparou, dizendo:
- Se ele fez uma coisa dessas comigo, mato esse desgraçado, mas, primeiro, capo o infeliz.  Depois eu o amarro de cabeça pra baixo, e fico assistindo sua agonia até morrer.  Ele sabe que sou assim, não admito traição. Já tenho mais de setenta, e ele também.  Não “brincamos” dessas coisas há muito tempo. Ah, se ele fez isso!
Dona Célia deu uma pausa, pensou, e disse:
- Pensando bem, creio que você está enganada, pois fiquei sabendo que o seu Bartô não dormiu em casa essa noite passada, comadre, onde ele estava?
Comadre Efigênia, meio sem graça, coçou a longa cabeleira– verdadeiro “fuá”– e disse:
- Credo, mulher.  Não fale uma coisa dessas do meu santo, não! Ele foi só jogar cartas com os outros. O vício desses homens nossos é jogar a porcaria do “truco”.  Passam horas, noites adentro no baralho, e você sabe disso, não sabe?
Dona Célia, categoricamente, disse:
- É, comadre, pimenta nos olhos dos outros é refresco! Santo, nenhum homem é. Em se tratando de “rabo de saia”– ainda mais, novinha, todo homem quer, é sem-vergonha. Já viu falar o ditado que “bode velho baba por uma cabritinha nova?” Pois é...  O meu, hoje, não é mais aquele garanhão da mocidade. Traía-me com qualquer vagabunda. Era fissurado numa “mocinha”. Não agüentava ver uma, dizia que aquilo tinha cheiro de vida. Até que um dia eu lhe dei uma surra daquelas, quase o matei, e lhe prometi, por todos os santos do céu, que, se um dia me traísse de novo, não o perdoaria. Logo, comadre, é bom averiguar essa história de baralho, to sentindo que aí tem coisa das brabas, tem macaca no galho!!!
Dona Efigênia arregalou seus olhos grandes e negros, amarelou, e disse balbuciando:
- Ah, meu Deus! Será que foi ele?
Ela foi desfalecendo... E, dona Célia preocupada, começou a abanar sua comadre, e dizia-lhe que era brincadeirinha, imaginação fértil, que era uma lorota. Bobagem... A amiga, aos poucos, foi se restabelecendo e zarpou.
A mãe de Edviges, que num cantinho imperceptível ouvira aqueles mexericos, dizia a si mesma: Isso não pode ter acontecido com a minha filha se algum velho safado fez isso, eu mato.
Quando dona Marcelina foi ter com a filha, a porta do quarto estava fechada, só se podia ouvir o barulho do chuveiro ligado e o choro de Edviges. Sua mãe implorou para que ela abrisse a porta, mas tudo que conseguiu ouvir da filha foi que estava cansada e lhe deixasse em paz.
No outro dia Edviges desceu cedinho para tomar o café e ir para o colégio. A mãe, ao vê-la, foi logo falando:
- Minha filha, onde dormiu a noite passada?  Responde, menina! Eu estou falando com você?
Edviges nada respondeu, permanecendo estranha, como se nada tivesse acontecido. Acendeu um cigarro do pai que estava sobre a mesa, causando mais estranheza na mãe, pois ela não fumava. Vendo a filha se engasgar, pois não sabia tragar, nervosa, falou enfurecida:
- Agora fuma também?  O que está acontecendo com você? Onde dormiu aquela noite?
 Naquele momento, como se tivesse sido tele-transportada, simplesmente apagou o cigarro e, calma, respondeu:
- Nada mamãe. Se a senhora quer saber sobre o que aconteceu antes de ontem, eu não sei lhe explicar. Eu só me lembro que estava indo para a casa de Isabela, quando me deparei com uma coisa. Ele avançou em mim e eu caí, devo ter batido com a cabeça numa pedra, e não me lembro de mais nada... A propósito, papai está melhor?
Balançando a cabeça negativamente, desconfiada daquela conversa, resolveu fingir que acreditava na filha, era o melhor a fazer naquela hora, e disse:
- Sim, minha filha, seu pai está bem melhor, agora que você voltou sã e salva. Acho bom você se apressar com o café e ir para a escola, senão vai chegar atrasada. Falei com a professora e ela vai lhe dar uma nova prova. Aliás, não quero que você saia mais à noite sozinha, mais uma dessa, eu e o seu pai não agüentaremos.
Edviges, sem graça, respondeu à mãe:
-Eu sei, mamãe, não se preocupe, isso não vai mais se repetir.
O que Edviges não sabia era que a cidade inteira estava comentando maldosamente sobre a sua honra. Houve muito tititi sobre aquele episódio.  Ela perdeu muitas amigas por isso.
Já havia passado dois meses e meio desde o acontecido, quando Edviges começou a notar algo estranho em seu corpo. Seus seios estavam maiores e doía, a menstruação atrasada, sentindo enjôos, e muito sono...
Quando a mãe descobriu a gravidez da filha resolveu inventar para a sociedade, e até mesmo para o padre, que ela estava gestante de uma coisa d’outro mundo. Que, no dia do seu sumiço, um disco voador aterrissou e alguém se aproveitou da pobrezinha.
Pouca gente acreditou nessa história. As fofocas aumentaram ainda mais. Acirraram-se as bisbilhotices. Por onde a garota passava era apontada como vadia, e que aquele filho era fruto de um adultério, filho de seu Bartô – o marido de dona Efigênia. O que o levou a ter a fama de “papa-anjo”, de pedófilo, “comedô”. O homem “ficou em papos de aranha” na cidade. Perdera os velhos amigos. Andava triste, cabisbaixo, não era mais o homem alegre de antes. O falatório se encarregou de transformar aquela mentira numa verdade absoluta, e o homem foi condenado, sem ao menos ter a chance de se defender.
A cidade ficou polvorosa. Os comentários, nas rodinhas de aposentados, eram: “- Como Bartô, naquela idade, havia conseguido tal proeza, embuchar aquela jovenzinha...”.  Isso causou inveja e deixou muitos velhos excitados. Alguns chegaram a se engraçar com as moças mal faladas. Outros chegaram a oferecer todo o seu salário em troca de um carinho mais fervoroso. Foi um “deus nos acuda!” As meninas ficaram aturdidas. Mas, somente a Gaia – a fácil – cedeu, e depenou até o último centavo de meia dúzia de velhinhos desesperados.
O que os cidadãos de Santana do Sul não sabiam, era que algo de sobrenatural estava acontecendo e desejava as moças daquele lugar.
Já era mais de meia noite, quando Isabela Caputte foi despertada por um longo beijo roubado que a enlouquecera de prazer, foi envolvida, tomada e amada, nunca havia sentido nada igual antes. Aquele momento foi mágico, foi lindo. Ao acordar não sabia se tinha sido real ou se havia sonhado mesmo.
O moço enfeitiçava todas as mulheres. Ele se transformava no homem dos sonhos de cada uma, por isso era irresistível. Sabia como e quando devia aparecer e tocá-las, possuí-las. Nem uma resistia aos seus encantos.
Isabela foi amada numa noite de magia, prazeres e mistérios. Ao acordar descobriu que tinha sido deflorada pelo homem de seus sonhos...  Chorou, depois pensou: “provei o gosto gostoso do pecado...”. Em seguida sorriu, e pensou novamente: “Quem me fez mulher? Quem?”
Passado algum tempo, ela começou a sentir os sintomas da gravidez. Foi então que resolveu contar tudo à sua amiga, Mariana:
-  Pimentinha, to frita!
Morrendo de curiosidade, disse:
-  Conta logo!
Isabela Caputte, meio sem graça, contou sua história advertindo:
-Então ouça e não me interrompa.  Há um mês estava no meu quarto dormindo, quando fui despertada por um longo beijo roubado, fazendo-me ficar sem forças. Aquele era o homem dos meus sonhos. Fascinou-me, seduziu-me, e, então, fui tocada, não resisti e me entreguei de corpo, alma e mente. Foi eletrizante.  Foi um anjo que caiu em minha cama e tomou posse de mim.... Hoje, tenho certeza que estou esperando um filho dele, tenho os mesmos sintomas que Edviges dizia sentir no início de sua gestação.
Mariana teve uma crise de risos e disse à amiga:
- Conta outra, Isabela, ta bom!  Quase acreditei nessa sua história Shakespeariana... Mas por favor, tenha a santa paciência! Um rapaz lindo, aqui em Santana do Sul , e ainda por cima, com tal poder de sedução?!! Você está inventando isso para não ficar falada também, não é?  Foi o mesmo velho tarado – seu Bartô – não foi? Agora não adianta guardar segredo.Todo mundo vai saber. Se o filho é dele, o velhinho é porreta mesmo! Até que enfim, um homem está resolvendo os problemas das moças deste lugar nojento, deste fim do mundo! Agora você está arrependida e vem com uma história bonita dessa?
Isabela começou a chorar, e disse:
-Sabia que você não iria acreditar em mim. Tudo o que disse é verdade, mas acho que você está certa em parte: este homem é um mistério. Será um anjo mesmo ou um demônio?
Mariana, vendo a preocupação da amiga, percebeu que aquilo não era uma brincadeira, que falava sério.  Resolveu investigar melhor aquela história, e perguntou:
- Como assim, um mistério?  Você perdeu a sua virgindade e engravidou de uma pessoa e não sabe nem quem é?
Isabela começou a explicar à amiga:
- Ele é uma espécie de zumbi, entende? Um cara lindo, mas estranho. É o que me leva a acreditar que ele não é daqui.  Sua juventude e seu vigor físico é deslumbrante.  Seu rosto de anjo, e principalmente sua voz, inconfundível... E aquele perfume é o mais aromático que já senti em toda a minha vida. Meu corpo ainda tem o cheiro dele... É um homem irresistível. Não tem nada a ver com o coitado do seu Bartô. Aquele velhinho não faz mal nem para uma mosca morta. Aquele homem é o homem do meu sonho.
Foi aí que Mariana ligou os fatos sobre o que havia acontecido com Edviges e foi dizendo:
- Esse perfume do qual você está me falando é o mesmo que a Edviges me disse ter sentido também. Eu bem que desconfiei daquela história absurda de ter sido engravidada por um “ET” conforme disse sua mãe.  Desconfiei também dos boatos de que teria sido o pobre daquele velho, o malfeitor.  Por mais desesperada que esteja uma de nós, é impossível sentir tesão por um velho gagá daquele! Perdoa-me, amiga! Vou desvendar esse mistério custe o que custar!
Mariana deu com a boca no mundo, salvou o casamento do seu Bartô – que voltou a conviver em paz com a sua esposa e com os amigos.  Mas ela deixou a cidade em pé de guerra, assombrada, com a notícia de que um bonitão atacava as virgens, as ninfetas e as mulheres bonitas e mal amadas. Foi como se tivesse jogado uma bomba no coração de cada família e quebrado certos tabus.
Depois que a notícia ganhou repercussão regional, teve moça que deixava a janela do quarto aberto, na esperança de ser amada pelo famoso “bonitão”.  Os comentários eram tão fortes, que até algumas senhoras casadas – mal amadas – aderiram à idéia também.
A cada dia, sempre depois da meia noite, ele fazia mais uma vítima. Nem mesmo a neta do delegado escapou de sua sedução. Foi paixão ao primeiro toque de amor. Como um anjo desposou-a carinhosamente... Pedrina contava sem rodeios que tinha sido tocada por ele como sonhava, como lia nas fotonovelas... Dizia: “Foi romântico, foi lindo, foi eterno... Ele é o meu anjo loiro”. Engravidou também.
O falatório deu “corda” aos desejos insaciáveis...
Foi então que o delegado resolveu caçar O ANJO LOIRO – vigiando as janelas... Fazia rondas cada vez mais modernas, utilizando-se da tecnologia avançada que dispunha, ou a que conseguia através da Secretaria de Justiça do seu Estado.
Mas nada conseguia detectá-lo. O homem tinha um pacto com as forças do além. Nunca visitava a mesma amada duas vezes. O homem era um procriador.  A pergunta era: De quem? Por quê?
Havia se passado seis meses e a polícia não o identificou. O tempo foi se passando, e “O Anjo Loiro” foi conquistando simpatizantes. Já havia gente que desejava que ele possuísse a sua filha para ter netos e ver a continuidade de sua geração. As janelas abertas de famílias tradicionais denunciavam o sinal de aprovação. Muitos velhos assinaram um documento exigindo que o delegado abandonasse o caso, que deixasse o homem encantado em paz,RR r         que pudesse aparecer livremente e  sem medo, mostrasse a sua face.
Quando nasceu o primeiro bebê, lindo e fofo, a polícia parou de caçar o Anjo Loiro... O povo pedia e rezava para que a sua filha fosse a próxima escolhida. Aquela criança deu vida e esperança à população daquele lugar esquecido do mundo. Aos poucos foi nascendo uma após outra, e o crescimento daquela cidade foi inevitável. O perfil das crianças era de acordo com o sonho das possuídas.
Após alguns anos, os meninos loiros, morenos, negros, japoneses e de todas as raças e sonhos, povoaram aquele lugar que dantes estava condenado a desaparecer do mapa. Eram muitos, e a cidade ganhou cara e vida nova. Seu número de habitantes passava de sete mil, e todos eram parentes.  Tornaram-se patriotas a tal ponto que nasciam e morriam ali, sem ter vontade ao menos de conhecer outro lugar. Ali era o paraíso do mundo. As mulheres responsáveis por essa geração eram idolatradas pelos seus descendentes.
Muitas moças e mulheres de outras localidades iam aos bailes e às festas na cidade dos meninos belos: Os filhos do Anjo Loiro – atraídas pela beleza e a fama do vigor físico que tinham.  As moças que lá apareciam logo ficavam apaixonadas. Namoravam, noivavam e se casavam. Os filhos dessa geração eram criaturas abençoadas.
 O Anjo Loiro, satisfeito com a sua criação, resolveu confidenciar o seu segredo para o seu verdadeiro amor, dizendo:
- Sou um espírito de luz. Tudo o que fiz foi por amor a este lugar que estava condenado a desaparecer. Sou a semente da vida...  Lá de cima, senti o seu fim. Foi-me dada à missão de povoá-lo. De acordo com o sonho de cada mulher renascia a minha esperança... . Por isso eu me transformei de acordo com o homem que cada uma queria. Mas, eu me apaixonei por você. Pedi para o meu superior, para que eu me reencarnasse e pudesse viver como um ser humano e me casasse contigo. Somente você, Edviges, sabe disso. Ninguém nem desconfia que sou o pai dessa enorme geração. Sou um homem feliz por ser o progenitor de tantos sonhos e poder ter salvo esta cidade. Todavia estou mais feliz por ter encontrado o meu amor. Fui um sonho real para muitas, porém, vivo a minha realidade...  Você é, foi e será o meu sonho vivo eternamente, te amo!

Edviges sorriu feliz da vida e pode entender o seu destino finalmente... Deu-lhe um beijo fogoso e o amor tomou conta daquele ambiente.
Professor Osmar Fernandes
Enviado por Professor Osmar Fernandes em 08/03/2009
Reeditado em 13/07/2009
Código do texto: T1475023

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.