sábado, 31 de janeiro de 2015

Aparição do Capeta

                   Certo dia, noite escura, num terreno baldio, próximo da Igreja Católica, três moleques arteiros pegaram uma abóbora e fizeram dela uma caveira. Fixaram uma vela acesa em cima de um toco e a puseram por cima. Ficou parecendo o demo, o capeta mesmo!
                   A missa acabaria às vinte horas. Os fiéis que passariam por ali, a pé, certamente a veria. A caveira ficou num ponto estratégico, bem na esquina.
                  O pessoal ao sair da missa, ao vê-la, gritou: “Valha-me Deus! Jesus tende piedade! Minha Nossa Senhora da Aparecida! Salve-me Senhor! Salve-me!!!".
                   Foi gente pra todo lado... Os três capetinhas caíram na gargalhada... Quando o local esvaziou, saíram da moita e se depararam com um corpo estendido no meio da rua. Joãozinho, o nanico, gritou: “É dona Julieta! Ela tá mortinha da silva! E agora?! Estamos fritos!!!” Pedrinho, o gago, disse: “Viiixeee, aaagooraaa laaascooou tuuuudo!!! Vooou deioootar o caaaabeeelo!!!” Luquinha, o mala, disse-lhes: “Cala a boca gago desgraçado!... Calma aí seus frouxos, ninguém viu a gente! Não vai nos acontecer nada!!! Ela morreu de susto! E daí?! Vamos tirar a caveira dali e vamos embora.”
                   Feito leopardos esconderam os apetrechos do Demo e se foram.
                   Não demorou muito e a polícia chegou ao local. D. Julieta foi levada ao hospital, acordou do susto, foi medicada e falou: “Meu Deus o que era aquilo?! Eu preciso falar com o Padre Bento!... Era o Demo! Valha-me Deus!!!”
                   O médico e a enfermeira diziam para ela ficar calma porque na idade dela era normal ver coisa que não existe... Deram-lhe um calmante e a fizeram dormir.
                   A notícia ganhou a cidade de que Dona Julieta tinha batido as botas. Os três endiabrados assustados esconderam-se nas suas casas.
                    O pai do Joãozinho disse para esposa:
                    - Bem, Dona Julieta viu o capeta e morreu! Estão falando que o Demo veio buscá-la. Faladeira como é, não duvido nada... Amor, toma cuidado, viu!
                   - Tá louco, homem, eu não falo da vida de ninguém não!
                   O marido deu uma risadinha maliciosa e foi trabalhar.
                   O investigador de polícia fazia uma busca no local do crime e achou um chinelo de tamanho trinta três. Era a pista que tinha em mãos.
                   Chegou na delegacia e disse ao Delegado:
                   - Senhor, aqui está à prova do crime!
                   Dr. Clécio riu, e lhe disse:
                   - Quer dizer que o capeta esqueceu um chinelo e saiu correndo pro inferno! KAKAKAKAKAKAK (RIU TANTO QUE SE ENGASGOU...). Vá amolar outro, Cido! Tenho mais o que fazer nariz de Pinóquio! Cada uma que me aparece! Você não percebe que essa cidade está de pernas pro ar... Se esse povo não melhorar, Deus vai aniquilá-la, assim como fez a Sodoma e a Gomorra.
                   O Investigador abaixou a cabeça e saiu chateado e pensou: “Vou pegar o desgraçado que fez isso com a minha avó... Ateu não sou não, mas, acreditar que isso é obra do Demo já é demais para minha inteligência.”
                   O Padre Bento assim que soube do acontecido entrou no terreno baldio e fez uma devassa, procurou por todo lado e achou a cabeça da abóbora e a vela jogados debaixo dum pé-de-limão, e pensou: “Eu sabia que não tinha diabo nenhum nessa história! Esse meu povo inventa cada uma!... Perdoai-os ó Deus!!!”
                   Com a notícia da aparição do capeta a Igreja superlotou na missa do dia seguinte, de manhã, e o dízimo aumentou sobremaneira e, o Padre ficou pensando se dizia ou não no sermão sobre a aparição do Demo... Pensou... E, nada falou.
                   Os três pestinhas se reuniram, e Luquinha disse:
                   - A velha não morreu... Com o susto, desmaiou. Dona Julieta sairá do hospital hoje à tarde.
                   Pedrinho, o gaguinho, disse:
                   - Mas a polícia está investigando. O que nós fizemos é crime. Se a polícia descobrir quem fez isso, a cidade toda ficará sabendo... Nós vamos ser linchados!
                   Joãozinho, o nanico, disse:
                   - Eu sou coroinha, vou me confessar com o Padre Bento e vou lhe contar tudo. Se o meu pai souber disso vou levar uma peia, uma surra daquelas de tirar o coro.
                   Os dois amigos disseram juntos:
                   - Você não tá nem doido! O Padre nos mata!
                   Joãozinho disse:
                   - Eu tô com medo!
                   Os três amigos fizeram um pacto: Nunca contariam sobre a caveira pra ninguém, levariam esse segredo para o túmulo.
                   Joãozinho confidenciou: “Perdi um pé do meu chinelo, presente do meu pai, fui lá na data procurar e não o achei. Temos que achar o chinelo logo.”
                   Seus amigos não lhe deram ouvidos e foram se embora.
                   O investigador conhecia todo mundo da cidade, saiu de casa em casa perguntando se aquele chinelo pertencia a alguém daquela residência.
                   Luquinha ficou com os olhos estatelados ao vê-lo em sua casa, perguntando à sua mãe se ela não tinha dado falta de um pé de chinelo.
                  Luquinha reuniu seu bando imediatamente, e disse:
                  - Vamos roubar aquele pé de chinelo hoje à noite. Cido vai sempre jogar no Tunguete. Vamos aproveitar esse momento e vamos em sua casa buscar o pé de chinelo. Não tem outro jeito. Ou fazemos isso ou esse sujeito vai descobrir tudo.
                   O Delegado foi à Igreja e logo após a missa disse ao Padre Bento: “Padre o meu investigador tem uma prova cabal do malfeitor. Creio que dentro de poucas horas iremos elucidar o caso.”
                   - Meu filho, que prova é essa?
                   - Respeito-lhe demasiadamente Reverendo, mas isso é segredo de Justiça, não posso dizer de jeito nenhum.
                   - Mas meu filho, eu sou o Pároco, pode me falar, vou guardar segredo... Quantas vezes você já se confessou comigo?!
                   - Padre Bento, isso não é um pecado, é segredo profissional.
                   - Meu filho, eu lhe vi nascer, lhe batizei, lhe crismei, foi meu coroinha... Vai ter coragem de fazer isso comigo? Conta-me logo que prova é essa?!
                   - Conto não! Não posso!... O senhor pode falar sobre as confissões dos fiéis?
                   - Claro que não! Você tá doido, perdeu a cabeça. Jamais violarei o segredo do Confessionário. Exerço minha função com a fé em Deus e obedeço piamente com o que preceitua no CANON 1388 (1), que diz: O confessor que viola diretamente o sigilo da confissão incorre um sententiae (automática latae) excomunhão reservada à Sé Apostólica.
                   - Eu também não posso falar sobre essa prova! Não posso violar a confiança do meu investigador, estaria cometendo um crime.
                   O Delegado foi embora com a pulga atrás da orelha e pensou: Por que tanto interesse do Padre nessa prova?!
                   Paulinho viu seu filho descalço, e lhe disse:
                   - Joãozinho, cadê seu chinelo? Já lhe dei de presente para não ver você descalço. Não ande descalço menino! Vá calçar o chinelo, agora!!!
                   Joãozinho correu na casa do amigo e lhe pediu um chinelo emprestado, e Carlos lhe disse: “Mas você tem que me devolver logo, senão meu pai me dá uma surra se me ver descalço também.”
                   Pedrinho era muito religioso e naquele dia às dezessete horas resolveu se confessar com o Padre... Contou tudo e admitiu que estava com medo do investigador descobrir toda a história porque seu amigo tinha perdido um pé do chinelo que ganhara de presente do pai.
                   Padre Bento pensou: “Mas, Cido é ateu. Tenho que dar um jeito de calar a sua boca.”
                   O Padre arquitetou um plano e mandou o seu Sacristão chamá-lo, urgentemente. Rubens, o puxa-saco do Padre Bento foi à casa do investigador e, disse-lhe:
                   - Cido, o padre Bento quer vê-lo, agora, já! Ele disse pra você ir lá, correndo, imediatamente, agora mesmo!
                   - Mas, que diabos o padre quer comigo? Num devo nada para Igreja. Nem em Deus não sei se acredito?!
                   - Não fala assim não rapaz! Deus é tudo e tudo é amor. O padre não tem diabo nem um. Vai logo e saberá. Quando o padre chama é como se fosse Deus nos chamando, né?!
                   - Sei lá, tenho minhas dúvidas! Mas, fala pra ele que mais tarde eu passo por lá.
                   Dona Julieta visita o padre Bento e lhe diz: “Padre, eu nunca vi bicho mais feito no mundo que aquele. Era o Demo, o Demônio em pessoa!... Minha Nossa Senhora da Aparecida! Eu fiquei frente a frente com o Demo, Padre!... Eu já preparei uma novena. Vamos começar amanhã cedo... Padre, eu disse para os que me visitaram no hospital que se o Demo está aqui na nossa cidade é porque estamos sem fé, é um sinal dos céus. Por isso, vamos fazer a novena!”
                   Aquele acontecimento abalou a cidade. Nas ruas, nos bares, nas casas, nas roças, nas Igrejas, em todo lugar o boato corria solto: “O Demo está fazendo tocaia na nossa cidade!”
                   O Padre Bento ficou com a consciência pesada e pensou “Será que devo falar sobre essa história hoje na hora do sermão? Será que devo levar o assunto ao Bispo?!”
                   Dona Julieta foi rezar, e depois foi para sua casa.
                   As Igrejas protestantes começaram a fazer cultos durante o dia todo. Até os ateus temeram... A cidadezinha pacata acordou... Era gente acendendo velas no Cruzeiro do Cemitério... Despachos nas encruzilhadas... Novenas... Enfim, os religiosos se mexeram de forma jamais vista naquele lugar. Em todas as Igrejas as oferendas aumentaram significativamente. O comércio de produtos religiosos vendia como nunca.
                   A palavra numa das Igrejas Protestantes era brilhante e dizia:

                Ezequiel [Capítulo 28:13-18]

                 Tu estiveste no Éden, jardim de Deus; cobriste de toda pedra preciosa: A cornalina, o topázio, o ônix, a crisólita, o berilo, o jaspe, a safira, a granada, a esmeralda e o ouro. Em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Eu te coloquei com o querubim da guarda; estiveste sobre o monte santo de Deus; andaste no meio das pedras afogueadas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até o dia em que em ti se achou iniqüidade. Pela abundância do teu comércio o teu coração se encheu de violência, e pecaste; pelo que te lancei, profanado, fora do monte de Deus, e o querubim da guarda te expulsou do meio das pedras afogueadas. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti.  Pela multidão das tuas iniquidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêem.

            Mateus [Capítulo 4:1-11]

              Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo Diabo. E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome. Chegando, então, o tentador, disse-lhe: Se tu és Filho de Deus manda que estas pedras se tornem em pães. Mas Jesus lhe respondeu: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus. Então o Diabo o levou à cidade santa, colocou-o sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito; e eles te susterão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra. Replicou-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus. Novamente o Diabo o levou a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles; e disse-lhe: Tudo isto te darei, se, prostrado, me adorares. Então lhe ordenou Jesus: Vai-te, Satanás; porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás. Então o Diabo o deixou; e eis que vieram os anjos e o serviram.

                   E o pastor encerrava seu sermão dizendo: “Na casa do senhor não existe satanás, Xô satanás! xô satanás!”

                   O Investigador chegou à Casa Paroquial, adentrou, foi imediatamente atendido pelo Padre Bento que o levou ao seu escritório e lhe disse:
                   - Meu filho, eu lhe peço encarecidamente que pare com a investigação sobre a aparição do Capeta.
                   - Padre, o senhor está me pedindo algo que não posso atender.
                   - Por que meu filho?
                   - Padre, eu quero pegar o desgraçado que fez isso com a minha avó. Ela quase bateu as botas... Tenho certeza que não tem nada a ver com coisa doutro mundo. Isso foi coisa de moleque, de vândalo; brincadeira de mau gosto. Se não fizermos alguma coisa para punirmos esse tipo de “brincadeira boba, idiota”, ainda vamos perder um ente querido. O senhor não acha?
                   - Meu filho, nem tudo parece o que é. Deus tem desígnios que só pertence a Ele. Veja o movimento da nossa cidade!... O povo voltou à igreja, voltou a ter medo dos castigos de Deus. Isso vai fazer a criminalidade zerar. Nunca se viu tanta reza por aqui. O povo voltou a temer a Deus! Os meninos e as meninas voltaram para o catecismo. O fervor da fé voltou a tomar conta da nossa cidade... Nunca vi você na missa. Falam que é ateu... Mas, pare com essa investigação?
                   - Padre Bento, eu sou agnóstico... Não estou lhe entendo! O que tem a ver uma coisa com a outra?
                   - Meu filho, eu sei que você é um exímio Investigador de Polícia, mas, essa história não pode ir adiante. Pare de investigar. Essa história acabou fazendo um milagre por aqui. O povo voltou a ter Deus no coração. Isso não é bom?
                   - Padre, eu acho que o senhor está sabendo demais... Já descobriu a verdade?
                   - Não!!! Vieram me dizer que você anda perguntando nas casas se alguém deu por falta de um pé de chinelo.
                   - É verdade! Eu achei um pé de chinelo novinho em folha naquele matagal, local que dizem ter visto o Demo. Vi muitos pisados por lá... De pés pequenos.  E, cheguei à conclusão que tem mais de um moleque envolvido nessa tramóia. Padre, eu vou achar o criminoso que quase matou a minha avó, custe o que custar!
                   O Padre franziu a testa, várias vezes, e pensou: “Vou ter que falar com o superior desse traste e pedir para que o transfira daqui.”
                   O Investigador foi embora e não hesitou em dizer para o delegado sobre a sua visita na Casa do Padre:
                   - Doutor, eu estou vindo da casa do padre.
                   - Que diabos você estava fazendo na casa do Bento?!
                   - Eu fui lá porque ele mandou me chamar... Estranhei, mas... O senhor sabe, Padre é Padre, enfim.
                   - E o que a Igreja queria contigo?
                   - Só faltou se ajoelhar pra mim, Doutor. Implorou para eu parar com as investigações sobre a aparição do capeta.
                   O Delegado coçou seus poucos cabelos da cabeça e disse: “Aí tem coisa!” E disse ao Cido:
                   - Você me traga o pé de chinelo e me entrega ainda hoje.
                   - Doutor, ele está aqui na minha mochila, pega!
                   - Então essa é a prova que temos?... Pois é, a partir de hoje em diante essa investigação é minha. Você está fora desse caso. Vai cuidar de descobrir quem roubou o Jumento, do Zé Galinha, que ele está me enchendo o saco, e até hoje, você não descobriu nada.
                   O Investigador de Polícia obedeceu seu superior e saiu à procura do ladrão.
                   O Doutor Clécio foi ter com o Padre Bento cinco dias depois e disse:
                   - Padre eu tenho a prova do crime aqui em minhas mãos e já descobri tudo e vou prender quem fez isso.
                   - Doutor Delegado o senhor tem o quê em mãos?
                   - Eu tenho o pé de chinelo.
                   - Pé de chinelo!!! O que isso tem a ver com a aparição do Capeta?
                   Padre, isso tem tudo a ver! É a prova que não existe Capeta nenhum, isso provavelmente foi armação de quem não tem o que fazer na vida e fica assustando as pessoas de bem.
                   - Esse chinelo não prova nada. Qualquer pessoa pode ter ido naquele matagal e o esquecido.
                   - Será Padre?!
                   - Claro meu filho!
                   Padre, o senhor está muito interessado no encerramento dessa investigação, por quê?
                   - Não meu filho, eu não estou não! Mas, se você pensar bem, depois que viram o Capeta, a cidade melhorou muito. A Igreja não cabe de tanta gente nas missas. Não se falou mais de roubos, mortes, vadiagem, etc. Nunca vendeu tanto produto religioso como agora. Pense no sossego que nossa cidade vive hoje!
                   - É Padre Bento, pensado por esse lado o senhor está coberto de razão. Minha delegacia está um deserto, nem um B.O., nem de briga de casal. Nunca vi tanta calmaria em nosso Município.
                   - Então, pra quê elucidar esse episódio? Deixa o povo pensar que o Diabo está de olho bem aberto e bem pertinho de cada um.
                   - Mas, Padre Bento, o Capeta não anda de olhos arregalados pra todo mundo mesmo, doido para tomar conta da nossa alma?!
                   - Sim... Mas essa já é outra história.
                   O Delegado deu o pé de chinelo para o Padre e deu o caso por encerrado.
                   O Padre chamou Joãozinho e lhe deu o pé de chinelo e lhe disse: “Vê se não o perde mais...”
                   Os três capetinhas voltaram a participar assiduamente de todas as missas e a ajudar o Padre no catecismo.
                   Toda vez que o povo fraquejava, desanimava, deixava de ir à missa, a aparição do Capeta era automática.
Professor Osmar Fernandes
Enviado por Professor Osmar Fernandes em 07/09/2009
Reeditado em 31/01/2015
Código do texto: T1797659
Classificação de conteúdo: moderado

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes).

Um comentário:

  1. O médico e a enfermeira diziam para ela ficar calma porque na idade dela era normal ver coisa que não existe... Deram-lhe um calmante e a fizeram dormir.

    ResponderExcluir

Obrigado, pela visita, volte sempre! Deixe seu comentário.