sexta-feira, 6 de março de 2009

A Loira da Matão - o sussurro revelador...

O SUSSURRO REVELADOR

Era noite de sábado. Passavam das duas horas da manhã. Ivo e Beatriz voltavam de um churrasco entre amigos, da cidade de Guairaçá para Nova Londrina. Junto com eles vinham mais dois amigos: Ricardo e Vitor.
O som do carro em alto volume... Todos muito felizes, curtindo a música e cantarolando...
Quando entraram no trecho da Fazenda Matão, mil metros adentro, viram uma linda mulher loira, com cabelos longos, pedindo carona.
Ivo diminuiu a velocidade do carro e disse:
- Acho que foi assaltada.
Beatriz num ato sensitivo disse de supetão:
- Não, não pare! Toca!... Ou eu pulo!
Ivo obedeceu a amiga e acelerou em disparada.
Ricardo e Vitor começaram a rir, e disseram: "Era a Loira da Matão! rsrsrsrsrsrsrs... Que medo!"
Beatriz ficou brava e resmungou... Reprovou a atitude dos amigos e falou:
- Vocês não sabem de nada! Calem essas bocas, pelo amor de Deus!
Quando Ivo olhou pelo retrovisor, estava Lá o rosto da loira, feito bola de fogo, seguindo o veículo. Apavorado, ele pisou fundo no acelerador, ultrapassando aos 110km/h.
De repente, ela sumiu do espelho. E, naquele momento, o carro começou a gelar por dentro, como se o ar condicionado estivesse ligado no último. Era como se tivesse ligdo a geladeira da morte.
Inexplicavelmente, ela entrou no carro e sentou-se entre Ricardo e Vitor, exalando seu cheiro de dama fantasma; impregnando o ambiente com seu aroma inebriante.
Beatriz ao vê-la, tampou os olhos, ficou cabisbaixa e disse:
- Pare o carro Ivo! Não olhem pra ela! Não olhem! Por favor!
Mas, já era tarde... Todos ficaram hipnotizados, encantados
pela sua beleza deslumbrante.
De repente, a loira começou a se metamorfosear: Aos poucos se transformou numa coisa horrenda, jamais imaginada pelos olhos humanos. Seu corpo começou a entrar em decomposição... Era sangue escorrendo do nariz e da boca; seus olhos ficaram da cor verde-limão; seus cabelos loiros se transformaram em poucos fios brancos, e de seus ouvidos saíram algodão misturados com sangue, exalando um odor horrível... "Virou bicho feio, a coisa mais estranha do mundo."
Nesse instante, todos gritaram apavorados... Rezaram, imploraram aos seus Santos, proteção e piedade.
Nesse momento de pânico, Ivo perdeu a direção e se colidiu de frente com um animal, não conseguiu desviar da vaca, e todos ficaram gravemente feridos. A vaca morreu instantaneamente no local.
Beatriz, em transe, meio grogue, tirou a mão dos olhos e percebeu que estava fora do carro. Ainda em estado de choque, viu a loira bela e linda sentada ao seu lado, olhando-a. Fechou os olhos rapidamente e começou rezar... Eis o que a loira lhe falou:
- Abra os olhos. Por que tem tanto medo? Não farei nenhum mal a você. Eu só estava procurando ajuda... Fui estuprada quando seguia para lua-de-mel. Meu noivo foi brutalmente assassinado.
Beatriz, vagarosamente abriu os olhos, e disse:
- Isso lhe aconteceu há muito tempo atrás, há mais de 40 anos. Você está morta! Por que não procura a luz?
Assustada e confusa a loira olhou pra ela e disse:
- Não!... Você está louca! Acabou de acontecer... Como pode zombar da minha desgraça assim?!
Beatriz encabulada, pensativa... Fitou-a e lhe disse:
- Não acredita em mim? Olhe-se no espelho e verá que digo a verdade.
A loira abaixou a cabeça, mas, mesmo não acreditando no que ouvira, foi até o carro. E, ao se olhar pelo retrovisor, não viu a sua imagem refletir. Voltou assustada, como um relâmpago, e entristecida disse a si mesma: “Por que meu Deus?! Por quê?!! Cadê meu rosto?!!! Por que não me vejo?...”
Voltou até Beatriz e lhe perguntou:
- Como você sabia disso Beatriz?
E Beatriz lhe respondeu:
- Ouço falar da sua história desde que me conheço por gente, desde pequenininha... Não estranha saber meu nome, sem nunca ter me visto? Veja o que fez! Destruiu minha vida e os meus amigos talvez estejam todos mortos.
Como um raio, a loira correu até o carro... Voltou a Beatriz e lhe informou:
- Estão todos vivos, mas correm perigo de morte, vou buscar ajuda.
Beatriz apavorada lhe disse:
- Não faça isso! Você vai causar mais acidentes e mortes.
A loira responde-lhe:
- Durma menina, volto logo!
A loira, de repente, desapareceu.
Cinco minutos depois veio o socorro... À viatura da polícia e a ambulância.
Ao chegarem ao hospital os médicos estranharam, pois todos estavam hipotérmicos, em pleno verão.
Graças à rapidez do atendimento nem um veio a ter óbito. Aos poucos, os quatro despertaram e ao serem interrogados sobre o acidente, ninguém teve a coragem de contar o porquê, o motivo, a visão... Temeram as críticas, os sarros, os risos; o falatório que iria dar na cidade.
Ivo disse que se assustou ao ver um animal no meio da pista. Perdeu a direção e infelizmente bateu de frente com uma vaca. Agradeceu os policiais e os paramédicos pelo socorro, e lhes perguntou quem teria sido o anjo que havia avisado sobre o acidente... Depois disse: “Se vocês não chegassem rápido, estaríamos todos mortos.”
O policial respondeu-lhe:
- Uma linda loira vestida de branco contou-nos sobre o acidente e a localidade. Por incrível que pareça ela sumiu como um furacão. Simplesmente, desapareceu.
Ivo disse-lhe:
- Nossa! Como assim?
O policial completou:
- Tudo foi muito rápido... Apressamo-nos para socorrê-los. Acho que ela não quis dar depoimento. Mas, ela os salvou com certeza.
Ivo exclamou:
- Graças a Deus! Deus a abençoe!!
Quando os policiais saíram, Ivo disse a Beatriz:
- Você ouviu isso?
- Sim. Foi a Loira da Matão que avisou os policiais.
Ivo lhe respondeu grotescamente:
- Pára! Você ta louca!
Beatriz lhe disse afirmativamente:
- To falando sério. Foi ela sim. Nós duas conversamos... Ela pensava que estava viva... Procurava nossa ajuda. vamos rezar para que ela encontre a luz e a sua alma descanse em paz.
Ivo mesmo não acreditando, balançou a cabeça concordando, e disse:
- Você tem razão... Não vamos contar essa história a ninguém, ou seremos motivos de piadas na cidade. Eu lhe afirmo que vi o bicho mais feio do mundo dentro do carro; muito bizarro.
Ivo, Beatriz e seus amigos selaram um pacto de silêncio.
Essa história aconteceu há mais de quinze anos, e até hoje, aos sábados, a meia noite, fazem uma corrente de orações para que a Loira da Matão encontre o descanso eterno.
Beatriz nunca se esqueceu daquela hora em que a loira pediu para que ela adormecesse, para ir buscar ajuda, e sussurrou em seu ouvido dizendo: "Seu nome é Beatriz, o meu é Wanderléia, mas, pode me chamar de Léia. Prazer em conhecê-la!

Professor Osmar Fernandes
Enviado por Professor Osmar Fernandes em 02/03/2009
Reeditado em 31/01/2015
Código do texto: T1464801
Classificação de conteúdo: seguro



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Prof. Osmar Fernandes).

3 comentários:

  1. Muito interessante essa lenda,que se passou a poucos kms da cidade onde moro,serve como lenda,mas é interessante a mente humana em criar as coisas,acho incrível,pois as lendas são criadas por essas mentea previlegiadas,daí nassce a nossa cultura folclórica,ou pelo menos há um enriquecimento em nossa cultura através das lendas.

    ResponderExcluir
  2. Esta história foi narrada aqui, em Campinas, em um programa de rádio AM. Eu, particularmente, adoraria que esta bela loura aparecesse para mim, e, melhor ainda, ou pedindo carona ou aparecendo assim, de repente, de supetão, dentro do meu carro, porque aí, eu a convidaria pra um motel, o mais próximo que encontrássemos na beira da estrada !!!!!!!! hahahaaaaaaaaaaaaaaa...........!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Obrigado, pela visita, volte sempre! Deixe seu comentário.